Anuncios:

Ponencia

Entre fronteiras: práticas de resistências indígenas dos refugiados waraos em Belo Horizonte

Parte del Simposio:

SP.28: Memorias y comunicación indígenas: construcción de espacios de organización y visibilización de luchas en contextos de subalternización

Ponentes

Maiara Diana Amaral Pereira

UFMG

Os indígenas Waraos são originários do Nordeste da Venezuela, do Delta do Orinoco e região adjacentes. os Waraos era um povo sedentário e não possuíam característica nômade, aderiram características migratórias por causa de intervenções diversas em seu território de origem. Outra característica desse povo indígena é a variação cultural interna que refletem tanto nas relações sociais dentro do próprio grupo quanto nas sociedades envolventes que mantêm relações (ROSA, 2020). Os Waraos migraram, primeiramente, dentro do território venezuelano só que com a crise política atravessaram a fronteira com o Brasil em 2014 pela primeira vez, nesse momento foram deportados de volta de Polícia Federal de Boa Vista (Roraima) e em 2016 tornaram migrarem para o país como refugiados. A minha pesquisa é sobre A migração warao para o Brasil é um fenômeno recente, em 2014 quando atravessaram a fronteira pela primeira vez foram deportados, já na segunda onda da migração o Estado brasileiro aplicou políticas de acolhimento. É necessário ressaltar que essa migração possui particularidades por ser um grupo indígena e o judiciário está enfrentando desafios para aplicação das leis que garante tanto o direito dos refugiados como dos povos indígenas. Os waraos estão assim na fronteira dos direitos refúgioindígena buscando no país o que perderam na Venezuela; inclusive os direitos dos povos originários. Eu, como antropóloga, pesquisadora e estagiária de pós do Ministério Público, estou na fronteira da ação, da pesquisa, dos estudos e de como colaborar de maneira ética, enquanto pesquisadora que estuda os waraos e migração em contexto de crise, dentro da instituição ao mesmo tempo que elaborarei uma etnografia do Ministério Público no acolhimento aos waraos e as práticas de resistência dos waraos.