Anuncios:

Ponencia

Caboclo Truvezeiro

Parte del Simposio:

SP.62: Antropoéticas: As grafias enquanto gesto político, ético e poético.

Ponentes

Lucas Barreto de Souza

Universidade federal do Rio Grande do Sul

Este trabalho está pautado em uma experiência visual etnográfica em um terreiro de
candomblé na cidade de Salvador: uma festa de caboclo, realizada em dia de celebração de
“confirmações” / “obrigações” religiosas de dois “filhos” do terreiro Ilê Axé Akaraizô. É um
trabalho originalmente visual, com alguns desdobramentos reflexivos via palavra escrita e
com as imagens fotográficas como parte constituinte de um cerne fundamental ao seu
desenvolvimento, desde o princípio ao resultado final, realizado conjuntamente com pessoas daquela casa de candomblé.
Enquanto religião presente em meio urbano, constituída no Brasil, o candomblé envolve práticas que, elas mesmas, são formas de experiência na cidade. É o caso de rituais como esse. “O caboclo é a entidade espiritual presente em todas as religiões afro-brasileiras, sejam elas organizadas em torno de orixás, voduns ou inquices” (Prandi, 2001). Dentre essas religiões, candomblé, xangô, catimbó, tambor de mina, batuque. No caso do terreiro em questão, os cultos são organizados em torno de orixás, sendo um terreiro de nação ketu, em que ocorrem também festas de caboclo. Segundo Telles (1995), o culto ao caboclo em candomblés estaria associado a uma correlação entre inquices (divindades africanas ligadas à terra, cultuadas por negros de origem bantu) e o índio, o caboclo, o legítimo “dono da terra”, que seriam os nativos aos quais se poderia associar a relevância dada às inquices devido ao vasto conhecimento das matas, das ervas de cura e do território. O Alto do Saldanha é uma rua, de grande fluxo, no Parque Bela Vista, próxima a um conhecido cemitério da cidade de Salvador, o Jardim da Saudade, no bairro de Brotas, um dos maiores da cidade, conhecido como “uma cidade dentro da cidade”, por conjugar diversos outros bairros em suas adjacências, formando uma espécie de complexo.
A microrregião do Alto do Saldanha é midiatizada principalmente por motivações do
tipo ocorrências policiais, trocas de tiros, perseguições a suspeitos, tráfico de drogas – o que
contribui para a formação, no imaginário popular, de uma impressão de “local de alta
periculosidade”. No cotidiano, no entanto, não é bem assim. As práticas e instituições
religiosas tem importância notável, desde as diversas igrejas cristãs evangélicas (batistas,
adventistas, neopentecostais) aos terreiros de religiões de matriz africana, em especial,
candomblé.
O processo se inicia a partir de uma demanda do grupo por um registro visual da festa, para arquivamento e salvaguarda da memória, além da oralidade, também em imagens. Com o consentimento a apoio do babalorixá do terreiro, o pai Ubaldo, começa a aproximação, as aproximações, diálogos, registros e escolhas.